<strong>Combe d'Orveau:</strong> um vinhedo com prestígio de Grand Cru na Borgonha
Combe d'Orveau: um vinhedo com prestígio de Grand Cru na Borgonha

A importância dos vinhedos (Climats) na Borgonha é algo que nos remete aos Monges Beneditinos e Cistercienses há mais de 10 séculos. Naquela época, através de observações de solo, qualidade da uva e até mesmo de onde a neve derretia primeiro eles selecionavam as melhores parcelas e as dividiam dando nomes de acordo com suas características geográficas ou históricas e, as vezes, dada a importância do vinhedo o cercavam com muros de pedra, os famosos “Clos”.

Essa seleção dos melhores vinhedos resistiu ao tempo, sempre foi revisada e evoluiu para uma classificação feita por Jules Lavalle em 1855 que depois foi formalizada pelo Comitê de Agricultura de Beaune, onde os Climats eram colocados numa espécie de ranking divididos em “Premier Cuvée” “Deuxième Cuvée” e “Troisième Cuvée”. Esse ranking foi a base do desenvolvimento da AOC Bourgogne e sua classificação de vinhedos em Grand Cru e Premier Cru como vemos hoje.

Com o tempo alguns vinhedos claramente superam as expectativas e produzem vinhos que rivalizam com outros de rankings superiores. Alguns Premiers Crus, principalmente vizinhos de Grand Crus tem essa percepção e sem dúvidas uma unanimidade é o Premier Cru Combe d’Orveau em Chambolle-Musigny, sempre mencionado como uma das jóias escondidas da Borgonha.

Esse vinhedo, que é uma continuação do espetacular Grand Cru Musigny, já era altamente reconhecido nas antigas classificações, em 1861 ele tinha o mesmo status do Grand Cru ao lado, ambos classificados como “1eres Cuvées”, tanto é que em 1929 e 1989 pequenas partes do Combe d’Orveau foram promovidas a Grand Cru ficando a porção atual do vinhedo a parte mais alta acima do lieu-dit chamado “Petit Musigny”.

É nesse pedaço consagrado que um dos nossos produtores preferidos, o Domaine Taupenot-Merme, possui sua parcela de vinhedos. Praticamente no centro do Combe d’Orveau, na continuação das parcelas promovidas, em uma parte relativamente alta com ótima exposição e comparada em qualidade ao prestigioso Grand Cru vizinho.

Com menos de 0,5 hectares em propriedade do Domaine a produção é limitada e os irmãos Romain e Virginie conseguem expressar a pureza, energia e o perfume desse terroir incrível como ninguém.

 Veja o vídeo abaixo onde o Rodrigo Malizia e a Virginie Taupenot-Merme visitam o Combe d'Orveau

 

Curiosidade: A palavra “combe” é de origem gaulesa e significa “oco” ou “vale”. Os vales que agora encontramos na Côte foram escavados pelo degelo glacial durante a última Idade do Gelo, há mais de 20.000 anos.

No verão, essas águas derretidas fluíam como cachoeiras e cavavam vales íngremes no calcário e outros mais largos na rocha mais macia. Estas águas varreram blocos de pedra e seixos, que se acumularam, explicando a quantidade significativa de material pedregoso presente nas vinhas.

O vinhedo Combe d’Orveau fica exatamente nesse final de vale entre Flagey-Echezeaux e Chambolle-Musigny

Digital Hub - Soluções inteligentes para e-commerce